Follow by Email

segunda-feira, 4 de novembro de 2019

O amor (Caetano Veloso a partir de Maiakovski)



Talvez quem sabe um dia
Por uma alameda do zoológico
Ela também chegará
Ela que também amava os animais
Entrará sorridente assim como está
Na foto sobre a mesa
Ela é tão bonita
Ela é tão bonita que na certa eles a ressuscitarão
O século trinta vencerá
O coração destroçado já
Pelas mesquinharias
Agora vamos alcançar
Tudo o que não podemos amar na vida
Com o estelar das noites inumeráveis
Ressuscita-me ainda que mais não seja
Porque sou poeta
E ansiava o futuro
Ressuscita-me
Lutando contra as misérias do cotidiano
Ressuscita-me por isso
Ressuscita-me
Quero acabar de viver o que me cabe
Minha vida para que não mais existam amores servis
Ressuscita-me para que ninguém mais tenha de sacrificar-se
por uma casa, um buraco
Ressuscita-me
Para que a partir de hoje
A partir de hoje
A família se transforme
E o pai
Seja pelo menos o Universo
E a mãe
Seja no mínimo a Terra
A Terra
A Terra

sábado, 6 de julho de 2019

Cisnes (Julio Salusse)




A vida, manso lago azul algumas
Vezes, algumas vezes mar fremente,
Tem sido para nós constantemente
Um lago azul sem ondas, sem espumas,


Sobre ele, quando, desfazendo as brumas
Matinais, rompe um sol vermelho e quente,
Nós dois vagamos indolentemente,
Como dois cisnes de alvacentas plumas.


Um dia um cisne morrerá, por certo:
Quando chegar esse momento incerto,
No lago, onde talvez a água se tisne,


Que o cisne vivo, cheio de saudade,
Nunca mais cante, nem sozinho nade,
Nem nade nunca ao lado de outro cisne!

segunda-feira, 17 de dezembro de 2018

Lagryma negra - Dante Milano (1889-1991)


Aperte fortemente a penna ingratta
entre os dêdos nervosos e trementes,
e os versos jórram, claros e estridentes,
numa cascata, numa cataracta!

Escrevo, e canto cânticos ardentes,
enquanto dos meus olhos se desata
uma fiada de lagrymas de prata
como um collar de pérolas pendentes...

Eu canto o soffrimento, a ancia incontida
de amor, que é a maior ancia desta vida,
- vida a que a Humanidade se condemna!

E todo o meu sofrer, todo, se pinta
neste pingo de dor -- pingo de tinta,
lagryma negra que me cáe da penna

segunda-feira, 2 de julho de 2018

Do not go gentle into that good night (Dylan Thomas)


Do not go gentle into that good night,
Old age should burn and rave at close of day;
Rage, rage against the dying of the light.

Though wise men at their end know dark is right,
Because their words had forked no lightning they
Do not go gentle into that good night.

Good men, the last wave by, crying how bright
Their frail deeds might have danced in a green bay,
Rage, rage against the dying of the light.

Wild men who caught and sang the sun in flight,
And learn, too late, they grieved it on its way,
Do not go gentle into that good night.

Grave men, near death, who see with blinding sight
Blind eyes could blaze like meteors and be gay,
Rage, rage against the dying of the light.

And you, my father, there on the sad height,
Curse, bless, me now with your fierce tears, I pray.
Do not go gentle into that good night.
Rage, rage against the dying of the light

Não entre nessa noite docemente (Dylan Thomas)




Não entre nessa noite docemente,
A velhice deve arder em delírio ao fim do dia.
Lance contra a luz que se apaga um grito demente

O sábio, para quem a morte é certa e segura,
Sabe que sua palavra não retém a luz que via,
E não entra nessa noite com doçura.

O homem bom, que nas últimas ondas pressente
Suas débeis façanhas esvanecer na verde baía,
Lança contra a luz que se apaga um grito demente.

O insano, que quis agarrar e cantar o sol em sua loucura,
Tarde demais aprende que o oprimia em sua travessia,
E não entra nessa noite com doçura.

O homem grave, que diante da morte vê como cego vidente
Olhos opacos como astros resplandecerem de alegria,
Lança contra a luz que se apaga um grito demente.

E tu, meu pai, agora distante nessa triste altura,
Amaldiçoa-me, abençoa-me com tua lágrima arredia
Não entres nessa noite com doçura
Lança contra a luz que se apaga um grito de loucura.

terça-feira, 26 de junho de 2018

El Perro




mijo na porta da amada cachorra (cadê ela?)
a cadela vive no cio enquanto eu morro no ócio

arredio farejo um logro
arrepio a crina
arredo o pé

vida de perro não é fácil
roo o osso mas não sou dócil
não fico perrengue

ladro um fero brado
nos derredores
vinte palmos de pelo e marra
pelo ocre caninamente escuro 
erro pelos becos em  pelos eriçados
rente ao muro
trago um cigarro barato
olhos em brasa rosno um rock
sou El Perro

entre lobos e homens eu aperreio-me
mordisco uma carniça rego a goela ardente
berro erres de ressentimento e raiva
rolo na terra fico louco (não sou cachorro)
                        arrepio-me
a contrapelo roço o couro na parede
mordo o próprio rabo
                   coço o saco
                       
crio rugas na testa e pelos na orelha
planto verrugas no rosto
vocifero pragas entre dentes
sob o plenilúnio lato 
recuso o uivo estridente e não viro a lata
                        aperreio-me
sou El Perro (eu não sou cachorro não)

(mai/2013)

sexta-feira, 22 de junho de 2018


de repente o gesto desesperado
nos salva
lança-nos nas sombras
do insondável presente
esse assombroso intervalo
nas dobras entre as vértebras rotas
da vertiginosa fratura da rotina

do ato inesperado
verte o amálgama de sangue
e ossos triturados na engrenagem da alma
grudando o vidro da retina
à pele enrugada do mundo

assim acuados
de repente
despertamos opacos
tateando o pálido dorso da fera
translúcida em cujo desfigurado semblante
vemos nosso rosto prefigurado

(jun/2013)